Noticias

Rui Pinto – Novo “Processo Explosivo”

O ‘hacker’ terá acedido aos servidores de Real Madrid, Barcelona, Juventus, Manchester City, Benfica e FC Porto.

No passado mês de setembro, o ‘hacker’ Rui Pinto foi acusado pelo Ministério Público dos crimes de acesso ilegítimo e extorsão na forma tentada, num total de 147 crimes.

Segundo avança esta quinta-feira a revista ‘Sábado’, além dos 147 crimes de que Rui Pinto é acusado no âmbito do caso Doyen, o ‘hacker’ vai ainda enfrentar um “processo explosivo” com uma dimensão bastante superior ao primeiro.

Em causa está o facto de, alegadamente, Rui Pinto ter acedido aos servidores de alguns dos maiores clubes europeus como Real Madrid, o Barcelona, a Juventus, o Manchester City, o Benfica e o FC Porto, assim como à Rede Nacional de Segurança Interna, escritórios de advogados, IURD e às empresas de Isabel dos Santos.

A mesma revista explica ainda que a Polícia Judiciária encontrou mais de 50 potenciais vítimas de Rui Pinto ao analisar os discos externos e computadores apreendidos na casa do ‘hacker’ na Húngria.

Recorde-se que, em nota enviada à comunicação social pela Procuradoria-Geral da República, podia ler-se que “no âmbito do designado inquérito CYBERDUNA, o Ministério Público do Departamento Central de Investigação e Ação Penal deduziu acusação contra dois arguidos pela prática de 1 crime de extorsão na forma tentada. O principal arguido deste processo foi ainda acusado de 75 crimes de acesso ilegítimo, 1 crime de sabotagem informática, 70 crimes de violação de correspondência, sendo 7 destes agravados.”

Na altura, o Ministério Público referiu ainda que “a partir do início do ano de 2015 e até 16 de janeiro de 2019, o principal arguido muniu-se de conhecimentos técnicos e de equipamentos adequados que lhe permitiram aceder, de forma não autorizada, a sistemas informáticos e a caixas de correio electrónico de terceiros.”

Por fim, o Ministério Público acrescentou ainda que “recolheu indícios de que o arguido, para além dos acessos indevidos às entidades e caixas de correio objeto da acusação, acedeu igualmente a sistemas informáticos e caixas de correio de muitas outras entidades, públicas e privadas.”

Rui Pinto estava em prisão preventiva desde 22 de março e teria de ser libertado no final de setembro se não fosse acusado pelo Ministério Público. Agora, deverá continuar em prisão preventiva enquanto durar a fase de instrução, se esta for pedida por alguma das partes, e o julgamento, se for essa a decisão do juiz de instrução.

Fonte: Sapo Desporto